segunda-feira, outubro 11, 2004

[discos mais marcantes] Três selecções

Antes de mais vou deixar uma pequena nota introdutória que servirá, sobretudo, para antecipadamente responder a algumas questões que se poderão levantar quanto à disparidade na selecção que fiz sobre os discos mais marcantes da minha vida.
Será fácil perceber que é impossível resumir as preferências musicais de alguém através de apenas três discos ou bandas. Os meus gostos abrangem diversos estilos que, por acaso, até tiveram a minha preferência quase por ordem cronológica. É por essa ordem também que me vou referir brevemente às minhas três escolhas.


Ratos de Porão – RDP ao Vivo
[1992, Estúdios Eldorado]

Os Ratos de Porão são brasileiros e surgiram em 1981 (!!!).
Estávamos em 1993 quando este disco violentíssimo chegou às minhas mãos. Não conhecia Ratos de Porão e foi preciso ouvir este disco mais de dez vezes para começar a gostar. Os RDP, na altura, representavam a mistura trash e punk mais agressiva que jamais conhecera (e conheci), e foi neste álbum ao vivo que me revi na altura. Vários minutos de pancadaria bárbara que, a princípio parecia não ter nexo, me mostraram no entanto que este é o disco que em grande parte terá conferido à banda o carisma que ainda hoje possui. É neste disco ao vivo que ficaram demarcados aqueles que viriam a ser os clássicos dos clássicos dos RDP. Quase que me atrevo a dizer, até, que todas as músicas que entraram nesta edição se tornaram clássicos da banda. São mais de 27 temas (porque existem faixas escondidas) de crítica social, denúncias, gozação e revolta, em que se incluem memoráveis versões de músicas de bandas como os “Olho Seco” e “Extreme Noise Terror”.
Muito provavelmente no auge da sua forma, os Ratos tiveram ainda a ajuda de o som estar mesmo muito potente (embora julgue que não tenham rebentado nenhuns PA’s neste show, como aconteceu num outro bem mais recente). Aliando isso às frases peculiares que o seu líder João “Gordo” vai dizendo entre músicas, bem como a participação entusiasta do público que estava presente, estavam criadas as condições para surgir o disco que ainda hoje vou buscar quando tenho vontade de reviver esses tempos. Cada vez que o faço arrepio-me.

Site oficial dos Ratos de Porão

¤          ¤          ¤          ¤          ¤

 

Oxiplegatz – Sidereal Journey [1998, Season of Mist]


Numa altura em que o metal mais pesado já me ia entediando, por escassearem aqueles que se destacassem com algo realmente novo, eis que adquiro um álbum que mudaria a minha orientação musical. Oxiplegatz é um projecto a solo do sueco Alf Svensson, que já participara em bandas punk e metal (como os conhecidos At The Gates), bastante arrojado. A exemplo disso surge este álbum com cerca de 40 minutos em que é “abolido” o conceito de “músicas”, visto que se apresenta com uma só música ou peça (apesar disso o disco está dividido em 33 faixas com o único propósito de facilitar ao ouvinte a seleccionar as suas partes favoritas). Na realidade esta opção faz todo o sentido quando nos apercebemos que este disco é uma história só, sobre uma raça alienígena que se lança no universo desconhecido à procura de um novo planeta, visto que o seu tem os dias contados.
Num álbum em que se notam nitidamente, aqui e ali, as influências de punk e black metal (e mesmo tendo em conta que o autor se tentou abster, mais do que nunca, de qualquer influência), foi aqui que encontrei o som que a minha vizinha de baixo apelidou de “música do espaço”. É neste disco que algumas nuances típicas do black metal se transformaram, pelo menos para mim, num som bem mais perto do gótico. Não estará certamente alheia a isso a participação especial de Sara Svensson, com registos vocais notáveis. De referir o interesse que existe em reparar que as sonoridades mais pesadas vão surgindo nas situações da história de maior intensidade e stress, intercalando com momentos de introspecção e melancólicos.
É um álbum incrível, para muitos uma obra de arte, que de vez em quando me vejo “obrigado” a ir buscar, porque é daqueles discos que não cansa nem enjoa. Antes pelo contrário.
Talvez por ter elevado a fasquia tão alta, não foi editado mais nenhum registo de Oxiplegatz desde então.

Oxiplegatz na internet

¤          ¤          ¤          ¤          ¤

 

Faith and the Muse – Annwyn, Beneath the Waves [1996, Tess Records]

Não foi fácil para mim seleccionar um disco que se adequasse às minhas preferências actuais. No entanto, após um momento de concentração, restaram-me poucas dúvidas em seleccionar este.
Era capaz de ficar várias linhas a enaltecer esta banda americana, da qual se destaca claramente (na minha opinião) este álbum. Muitíssimo equilibrado, será o disco que melhor descreve a banda. Com a influência demarcadíssima de bandas góticas de culto, os Faith and the Muse apresentam um disco recheado de ambiente, romantismo, fúria e solenidade. Com um som extraordinário para testar sistemas de som e estruturas anti-sísmicas (eh eh eh), encontrei neste disco de tudo um pouco daquilo que vemos nos outros seus outros registos. Tanto somos transportados para meandros do século XVIII, como depois para sábias terras pagãs, e de seguida para um qualquer clube noctívago e negro de Londres. Desde canções rock intensas, até à subtileza soberba de outros temas (ora com a voz motivante de Monica Richards, ora com o registo sombrio de William Faith), sempre suportado com letras fora do comum, somos a pouco e pouco arrastados até à negridão que transportam. A diversidade que o álbum carrega torna-o um dos mais poderosos e bonitos que já alguma vez ouvi e mesmo não possuindo distintamente influências das bandas onde Richards (Strange Boutique) e Faith (Christian Death, Shadow Project, Mephisto Walz and Sex Gang Children) participaram anteriormente, estou certo que terá sido um dos melhores discos que fizeram.  É um dos álbuns que mais me marcou e é daqueles em que não se consegue seleccionar esta ou aquela faixa. Vale mesmo como um todo.

Site oficial dos Faith and The Muse

 

 

 

 

Informação sobre o blog (para ler aquando da primeira visita a este blog)

 

Email:

 

 

(Instruções: o que é e o que é preciso fazer?)

 

Emissões:

Podcast 1

Podcast 2

Podcast 3

Podcast 4 (emissão especial)

Podcast 5

Podcast 6

Podcast 7

Podcast 8

Podcast 9

Podcast 10

Podcast 11

Podcast 12

Podcast 13

Podcast 14

Podcast 15

Podcast 16

Podcast 17

Podcast 18

Podcast 19

Podcast 20

 

 

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

 

 

[DISCO: marcante] “Blue Lines” Massive Attack

 

[disco mais marcante] "Specials" The Specials

 

 

 

 

Posts referentes aos discos mais marcantes de cada redactor do "otites":

 

Juiz:

[DISCO(s): marcante(s)] “Três Selecções

 

Work Buy Consume Die:

[DISCO: marcante] “Blue Lines” Massive Attack

 

Rudi:

[disco mais marcante] "Specials" The Specials

 

Serebelo:

[Disco mais marcante] "Hope Blister" ...smile´s ok

 

Escrito:

[discos mais marcantes] Três selecções

 

Kid Cavaquinho:

[disco mais marcante] Alpha - Come From Heaven

 

CrazyMaryGold:

[discos mais marcantes] Incunabula & Amber...

 

 

Work Buy Consume Die:

 

Escrito:

Rudi:

The English Beat - Beat This
Erode - Tempo Che Non Ritorna
Dance Hall Crashers - 1989-1992 (1993)
One Step Beyond - 45 Classic Ska Hits
The Redskins - Neither Washington Nor Moscow

 

Serebelo:

Tom Zé - Imprensa Cantada

Gorillaz - Demon Days

Bloc Party - Silent Alarm

Arcade Fire - Funeral

!!! - Louden Up Now

 

Kid Cavaquinho:

Africa Funk - Vol. 1

Cubanismo! - Malembe

Gor - Crosaides

Zeca Afonso - Galinhas do mato

Rão Kyao - Porto alto

 

 

 

1 Pouco Mouco

Alta Fidelidade

A Big Black Boat

A Vítima Respira

Braindance

Bitlogger!

Caixa de Ritmos

Clube de Fans do José Cid

Crónicas da Terra

Dance Not Dance

Deep & Lounge

Easy M

Electro-Lights

Electroshocker

Error_404

Grooves Clash

Hit Da Breakz

Intervenções Sonoras

Juramento Sem Bandeira

Major Eléctrico

Mundo Urbano

Música Digital

Music Producer Center

Notas Agudas

O Puto – O Tipo – O Tóto

O Som e a Fúria

Orelha do Ano

Pautas Desafinadas

Percepções

Play On Tape

Quark! Quark!

Queridos Anos 80

R.B.S.

Rádio Tranquera

Revoluções por Minuto

Rita Carmo

Rock em Portugal

Sound + Vision

The Tracker

 

Powered by Blogger

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

[Buy Opera!]

Get Firefox!

Get Thunderbird

Last FM

ouvidos abusados