segunda-feira, agosto 27, 2007

[DISCO] VA - Box Of Dub: Dubstep and Future Dub



A Soul Jazz Records é conhecida pelo seu exaustivo trabalho de investigação sonora ao nível da arqueologia que, não raras vezes, explica o presente com os sons do passado. Durante mais de uma década a editora inglesa sedeada em Londres lançou inúmeros singles e compilações que ficam para a história como as séries “Studio One” ou “New York Noise” onde explora as raízes do reggae e o underground nova-iorquino dos anos 80, respectivamente.

Ora, neste “Box of Dub”, a equipa foi escolhida de uma forma eclética não contendo apenas os "pontas-de-lança" Kode9, Burial, Digital Mysticz e Skream como outros jogadores que não sendo reconhecidos pelo público mostram, já, algumas novas leituras do fenómeno. No entanto, apesar de estarmos perante uma compilação, a variedade não é muita: Skream, Digital Mysticz, Scuba e Sub Version feat. Paul St. Hilaire repetem faixas das 12 músicas disponíveis nos quase 62 minutos de disco deixando obra única para Burial, King Midas Sound e Tayo meets Acid Rockers. Ou seja, dá-se uma no cravo e outra na ferradura com nomes consagrados ao lado de "novos valores".

É claro que numa compilação há valores mais altos que se levantam; A nova faixa de Burial que antecedeu o lançamento do EP "Ghost Hardware" previa escuta imediata: "Unite" apresenta um som personalizado que nos faz lembrar "Burial" com uma soul melancólica entrecortada com sons metálicos sufocados. "Magnetic City" de Kode9, com uma electricidade escura e suja contrasta com "I Wait" (faixa inaugural) que se rege pelo signo do dub. O veterano "Skream" apresenta nesta compilação "Sub Island" e "Irie". Se a primeira é mais cutting edge e directa ao assunto em questão (a pista de dança) com um sub-grave que sustenta o tema, já "Irie" apresenta um hook sintetizado. "The Light" de Sub Version Feat. Paul St. Hilaire bebe, sem pensar no amanhã, no dub e na Jamaica dos MCs com rastas: Aqui o termo "Future dub" aplica-se sem excepções ao contrário de "Rise Up", também de Sub Version Feat. Paul St. Hilaire que está arranjado numa forma mais estruturada no dubstep tal como o conhecemos.

Este disco é um projecto único onde figura algum do som que ouviremos nos próximos anos. As festas vão testemunhar outros ritmos e a Soul Jazz quer ser pioneira sendo cronista destes novos tempos.

+info:
» Soul Jazz

[INFO] Kompoz: Rede social de músicos



O Kompoz é uma rede social para músicos ou pretendentes a músicos. Tal como outras redes sociais (Hi5, Orkut, etc.) incentiva à comunicação entre utilizadores e agrupa-os pelos gostos comuns. Chegados a este pontos os utilizadores deste site podem contribuir com uma música, ou partes dela, para que haja uma task force colectiva para trabalhar na obra: "Record a track. Upload it. Then invite others to add drums, bass, vocals or anything else!"

+info:

quarta-feira, agosto 22, 2007

[INFO] "Cameraman Metálico diz adeus à carreira"

Cameraman Metálico

O Cameraman Metálico, longe de mito urbano, é uma personagem incontornável no meio musical português; Quase um missionário, António Melão (o nome real), ouviu em 1972 "um solo de guitarra eléctrica que o fascinou, o hino norte americano por Jimi Hendrix no festival Woodstock". Desde aí e a par da fotografia exerceu actividades como a cobrador da EDP e operário de explosivos antes da profissionalização.

Agora, e com a sensação de deja vú, leio, via Amplificasom que o "Cameraman Metálico diz adeus à carreira". Uma triste notícia para o panorama do fotojornalismo musical português:

«Desta é que é... vinte anos de carreira e kaput - finish! Tenho uma divida de 8.000 euros ao IVA (calha-me tudo graças a Deus)... pode ser que no fim venha o euromilhões... Bem mas é assim, resolvo um problema e vem logo outro, não consigo viver descansado... a avença do Diario do Alentejo é uma benção mas é curta para pagar as contas (250 euros), vai dáí pensei e vou acabar a carreira! A familia anda a sofrer com as minhas maluquices de querer ser jornalista à força e só me falta pagar para trabalhar! Se souberem de alguem que queira empregar um tipo com 52 anos (ainda tenho força para 8 horas (ou mais) diárias) num qualquer metier... motorista, balcão, acompanhante, secretario, escritório, diga-me sff... basta-me um salario de 500 euros... Vou vender o espolio para pagar a divida (não tenho cara para pedir mais nada, seja a quem for)... e já tou a ver a cara de alguns ao ver este mail... mas a vida é assim mesmo! Tenho uma porrada de negativos, diapositivos e imagens digitais (20 anos de carreira), as máquinas, analógicas e digitais (só vou ficar com uma), tenho uma t-shirt do Hard Rock Cafe (Nashville) autografada pelo BB King... fotos emolduradas, CD promocionais (muitos mil), DVD, K7, magazines, etc trabalhei com bandas desde os Xutos & Pontapés aos Mão Morta, UHF, Tarantula, Delfins, Quinta do Bill, Moonspell, e essas bandas terão a preferencia se quiserem ficar com os seus negativos... até farei um preço simbólico! Peçam a lista sff para este mail... Muito obrigado a todos que foram meus amigos ao longo deste tempo... a carreira acabou! bem hajam - CM

PS Há ainda uma luzinha ao fundo do tunel de em Setembro entrar para o Destak... mas com tanto azar...»

+info:
» E-Mail: metalcamera@gmail.com

terça-feira, agosto 21, 2007

[OPINIÃO] "O Pop e as alternativas"

No Melofobia escreve-se sobre música e não tanto sobre discos, artistas, correntes e géneros. É raro porque se escreve bem e porque sai de dentro de pessoas e não tanto de revistas, opinion makers e sites de música.

Este texto, "O Pop e as alternativas", escrito pela Rita, navega na motivação de ouvir pop, na afirmação que ouvir tudo é melhor do que estarmos centrados num hype obscuro e que esse prazer pode ser culpabilizador. Expurgue-se esse sentimento!

«Ao ouvir o meu mais recente guilty pleasure, o álbum Alright, Still de Lily Allen, tentei fazer uma imagem do que é o panorama musical de hoje em dia e a coisa mais aproximada que me ocorreu foi uma espécie de centro comercial gigante, com um andar central e generalista donde partimos em sentido ascendente ou descendente para andares bem mais fechados e exclusivos. Com o decorrer do tempo o andar central, não contente com a sua popularidade, foi buscar pequenas coisas aos outros andares o que lhe trouxe além da fama, respeito. Os outros andares não se importaram com isto, não perderiam a sua individualidade por isso. E o andar central foi ganhando cada vez mais gente e poder. De repente os outros começaram a necessitar dos produtos do central e entre este e muitos dos outros partiram-se paredes e tiraram-se escadas, levando a que aparecessem corredores e mais corredores cheios de materiais reciclados de ambos os lados. Os recicladores-mor tinham assim mais facilidade em circular entre os vários espaços e de certo modo houve uma perda de vergonha geral em pedir-lhes ajuda. Quem ficou confuso com tudo isto foi o público, não familiarizado com tamanha amálgama de tendências. Mas rapidamente se habituou e vendo bem até ficou a ganhar.

O que eu quero dizer com esta analogia enorme, e parcialmente confusa, é que o conceito de Pop deixou de ser aquela herança dos sintetizadores dos oitenta, para se tornar algo tão organizado como uma tropa napoleónica com a diferença de conseguir prever qualquer fenómeno meteorológico. Ou se for preciso fazê-lo acontecer.

Há dez anos o pop passava por meia dúzia de intérpretes ou bandas indecisas entre assumi-lo ou fazer rock. Tinha que ser, como ainda o é, dançável, mneumónico (passe a palavra) e bem apessoado. Mas a grande diferença é que as estrelas já não são meras construções das editoras. Sabem como se mover e sobretudo quem escolher para lhes produzir os álbuns ou co-escrever músicas. A própria Madonna não escrevia uma canção nos anos 80. Agora passa-lhe tudo pelas mãos. E falando nela, vou buscar a sua maior discípula, na cor de cabelo e sobretudo em inteligência, Gwen Stefani, que usa e abusa dos melhores produtores (os tais recicladores) e cria sucessos como quem cultiva batatas. Sabem as duas, como o sabem Justin Timberlake ou numa outra dimensão Kanye West , por exemplo, que o que o Pop quer são boas canções. Os tais singles, que apesar de perderem importância com o avanço da pirataria, fazem com que eles, artistas, existam nos meios de comunicação e sobretudo nas pistas de dança.

Esses mesmos produtores e muitos dos músicos envoltos nesta máquina enorme são o combustível que a fazem funcionar, mesmo longe de todo o dinheiro e da fama gerada. Veja-se o caso de bandas como os LCD Soundsystem, Gnarls Barkley. N.E.R.D. ou os Gorillaz, tudo fonte ou crianças dos verdadeiros lançadores de tendências. E tudo isto porque lhes foi permitido moverem-se de andar em andar sem qualquer problema.

Agora que chego à verdadeira razão do post, volto a falar de Lily Allen e também das Pipettes ou da Amy Winehouse (por acaso todas do mesmo país que os Beatles), "meninas" recheadas de referências pop, e dos seus primórdios (com excepção clara para algumas das letras), mas que fazem parte sem complexos da playlist de qualquer rádio alternativa um pouco por todo o mundo ou tocam em festivais independentes como o SXSW. Pode ser. Quero a minha sopa com todos, mas só com o melhor de cada um.»

sexta-feira, agosto 17, 2007

[INFO] Buddy Rich e Animal dos Marretas: Uma "drum battle" improvável

Buddy Rich foi um dos maiores bateristas de sempre. Dedicado ao jazz e dono de um virtuosismo ímpar, começou bem cedo a experimentar as percussões (aos 18 meses!) e aos 11 anos já era líder de uma banda. Sempre reclamou que a educação musical estragava o talento natural e que apenas tocava nos espectáculos, não praticando fora dos eventos.

Um dos pontos altos da sua carreira era o medley de "West Side Story" de Leonard Bernstein que executava na sua big band. Para conseguir a perfeição na execução foi necessário mais de um mês de ensaios. Em 1982 Buddy Rich toca parte do original (que dura até 15 minutos) no Festival de Jazz de Montréal:


No entanto, a aparição televisia que lhe granjeou mais telespectadores foi o convite para fazer uma drum battle com o Animal dos Marretas do "The Muppet Show" onde Buddy observa o desespero em crescendo de Animal!

quinta-feira, agosto 16, 2007

[INFO] Sintetizadores de papel



Via Hit da Breakz conheço esta página no Flickr onde o autor coloca fotografias das miniaturas de sintetizadores vintage em papel, ou seja, origami pouco tradicional e mais trabalhado com imensos detalhes e algum requinte. Para obterem estas pequenas obras de arte têm que contactar o autor.

Amor absoluto para o Hexatron e para a Modular Marimba! HexatronModular Marimba!
+info:
» Página do Flickr

segunda-feira, agosto 06, 2007

[INFO] Novo disco dos Einstürzende Neubauten



Os Einstürzende Neubauten vão lançar o mais recente trabalho "Allies Wieder Offen" no próximo dia 19 de Outubro. A banda que teve um percurso peculiar iniciado a 1 de Abril de 1980 utilizou a internet de uma forma produtiva: Copiando o modelo da indústria pornográfica cujas obras são financiadas, em parte, pelos admiradores, os Einstürzende Neubauten propuseram uma subscrição que lhes permitiu produzir a seu tempo e sem limitações o mais recente disco.

Mais informações através do flyer enviado pela Let's Star a Fire:

quarta-feira, agosto 01, 2007

[info] London After Midnight: novo álbum e visita a Portugal


Durante os anos 90 muito boas almas suspiraram por esta banda nos clubes mais obscuros. São, de uma maneira óbvia, uma porta escancarada para o movimento gótico, já que estão envolvidos com todo o tipo de clichés que o caracterizam. Talvez - muitos dirão - de uma maneira tão exagerada que se aproxima de uma espécie de caricatura. Outros irão mais longe ainda, considerando os London After Midnight (LAM) como um exemplo perfeito do pimba-gótico. De qualquer modo, e deixando de lado os aspectos mais subjectivos, a verdade é que me lembro perfeitamente de como a pista se transformava quando começava a "Sacrifice" (do primeiro álbum "Selected Scenes from the End of the World") ou "Kiss" (do segundo "Psycho Magnet"). Aliás, se o primeiro álbum se pode considerar uma abordagem romântica (no sentido gótico do termo) à vida e ao amor, o segundo poderá ter-se como uma explosão muito mais virada para o ambiente de um clube nocturno. Depois, de maneira estranha, surge apenas um "Oddities" recheado de versões, raridades, etc... e muitas muitas promessas para um "Violent Acts of Beauty" que nunca veio a surgir (não sei, sinceramente, se por falta de material ou se por um conjunto de circunstâncias inultrapassáveis... mas durante tantos anos?!).

No entanto, sempre parece que é desta! "Violent Acts of Beauty" vai mesmo sair e, para celebrar o facto, os LAM iniciarão uma tour (ao lado de, entre outras, bandas como Kirlian Camera). E, guess what(!), a visita a Portugal está já marcada para dia 10 de Novembro, no Cine-Teatro Corroios. É uma surpresa que representa um sonho para uns... e um pesadelo para outros (uns no bom, e outros no mau sentido). Mas garantida é a promessa de uma romaria de seres vestidos de preto e - inesquecivelmente - alguns pólos amarelos arremessados ao som da mítica, e minha particular favorita, "Kiss" (desculpem a private joke).

 

 

 

Informação sobre o blog (para ler aquando da primeira visita a este blog)

 

Email:

 

 

(Instruções: o que é e o que é preciso fazer?)

 

Emissões:

Podcast 1

Podcast 2

Podcast 3

Podcast 4 (emissão especial)

Podcast 5

Podcast 6

Podcast 7

Podcast 8

Podcast 9

Podcast 10

Podcast 11

Podcast 12

Podcast 13

Podcast 14

Podcast 15

Podcast 16

Podcast 17

Podcast 18

Podcast 19

Podcast 20

 

 

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

Current Posts

 

 

 

[PODCAST] Emissão 20

 

[OPINIÃO] Newsletter da Flur

 

[INFO] Novo tema dos Portishead

 

[OPINIÃO] Entrevista a António Sérgio pelo Vítor J...

 

[CONCERTO] Muse ao vivo no Pavilhão Atlântico

 

[INFO] Sites e música a rodos

 

[INFO] "Bohemian Rhapsody" pelos Marretas

 

[INFO] Duo Siqueira Lima

 

[OPINIÃO] António Sérgio

 

[INFO] Steppas Deligh Vol. 2

 

 

 

 

Posts referentes aos discos mais marcantes de cada redactor do "otites":

 

Juiz:

[DISCO(s): marcante(s)] “Três Selecções

 

Work Buy Consume Die:

[DISCO: marcante] “Blue Lines” Massive Attack

 

Rudi:

[disco mais marcante] "Specials" The Specials

 

Serebelo:

[Disco mais marcante] "Hope Blister" ...smile´s ok

 

Escrito:

[discos mais marcantes] Três selecções

 

Kid Cavaquinho:

[disco mais marcante] Alpha - Come From Heaven

 

CrazyMaryGold:

[discos mais marcantes] Incunabula & Amber...

 

 

Work Buy Consume Die:

 

Escrito:

Rudi:

The English Beat - Beat This
Erode - Tempo Che Non Ritorna
Dance Hall Crashers - 1989-1992 (1993)
One Step Beyond - 45 Classic Ska Hits
The Redskins - Neither Washington Nor Moscow

 

Serebelo:

Tom Zé - Imprensa Cantada

Gorillaz - Demon Days

Bloc Party - Silent Alarm

Arcade Fire - Funeral

!!! - Louden Up Now

 

Kid Cavaquinho:

Africa Funk - Vol. 1

Cubanismo! - Malembe

Gor - Crosaides

Zeca Afonso - Galinhas do mato

Rão Kyao - Porto alto

 

 

 

1 Pouco Mouco

Alta Fidelidade

A Big Black Boat

A Vítima Respira

Braindance

Bitlogger!

Caixa de Ritmos

Clube de Fans do José Cid

Crónicas da Terra

Dance Not Dance

Deep & Lounge

Easy M

Electro-Lights

Electroshocker

Error_404

Grooves Clash

Hit Da Breakz

Intervenções Sonoras

Juramento Sem Bandeira

Major Eléctrico

Mundo Urbano

Música Digital

Music Producer Center

Notas Agudas

O Puto – O Tipo – O Tóto

O Som e a Fúria

Orelha do Ano

Pautas Desafinadas

Percepções

Play On Tape

Quark! Quark!

Queridos Anos 80

R.B.S.

Rádio Tranquera

Revoluções por Minuto

Rita Carmo

Rock em Portugal

Sound + Vision

The Tracker

 

Powered by Blogger

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

[Buy Opera!]

Get Firefox!

Get Thunderbird

Last FM

ouvidos abusados