quinta-feira, julho 19, 2007

[INFO] Bruno Belluomini no DnB Online

Bruno Belluomini

O nosso amigo Bruno Belluomini foi entrevistado pelo site DnB Online, um marco na cena de Drum n' Bass brasileiro. Conversa-se desde a génese do dubstep, do qual é um legítimo embaixador, do podcast que mantem semanalmente entre outros assuntos. Em exclusivo podem ouvir o DJ set que preparou.

«“Faaala molecaaada!” É com esse chavão que começa toda edição do podcast Tranquera.org, o único do Brasil dedicado ao dubstep. No comando dele, um dos poucos representantes do segmento nas nossas terras: Bruno Belluomini. Há tempos o DNB Online vem tentando entrevistar essa personalidade e finalmente conseguimos.

Belluomini já tocou em diversos lugares de renome em São Paulo, como Subgrave, Virada Cultural e Dubplate. Além disso, representou o Brasil em Viena recentemente, no festival Into The City. Mas não é das gigs que ele fez que queremos falar, e sim desse estilo inovador, que muita gente não sabe bem o que é, e que Bruno tanto luta para difundir.

Enquanto lê a entrevista você pode ouvir o mix Freqüência Maravilha, feito por ele exclusivamente pro DNB Online, disponível na seção DJ Set.

DNBOL: Quando começou sua inserção na cultura dubstep?
Belluomini: Já faz um bom tempo, desde 2003 mais ou menos. É uma cena relativamente nova, uma evolução do UK garage.

DNBOL: O que você curtia antes de começar a ouvir o estilo?
Belluomini: Comecei tocando drum'n bass, venho do jungle. Antes disso, nos anos 90, estava inserido na cena hardcore e punk rock.

DNBOL: Você já tocou em várias festas. Como o publico que não conhece o estilo costuma reagir aos BPMs baixos de seu set?
Belluomini: Na Subgrave, que rola no sound system monstro do D-Edge, a galera curtiu bastante. Havia várias pessoas lá, alguns conhecidos, outros não. Na verdade, "velocidade" é um mito. A sensação de velocidade pode ser alcançada em qualquer BPM, depende de como você organiza os elementos percussivos. Sejam eles peças de bateria ou synths.

DNBOL: Então o dubstep tem funcionado bem nas pistas brasileiras?
Belluomini: Isso a gente quer comprovar na prática com mais datas para tocar.

DNBOL: No Brasil o dubstep ainda é pouco difundido, parte da cena drum´n bass ainda não o digere bem. Basicamente, qual o público que comparece nas festas? Existe um estilo em comum entre o público ou dá de tudo?
Belluomini: A gente toca em festas bem diferentes. A Technolabels, por exemplo, que rolou no Galpão Manufatura, tinha muita gente que curte techno. A Pi, que rolou no Studio SP, tinha muita gente que curte Minimal.

A verdade é que o Dubstep ainda é muito versátil. Hoje em dia os produtores bem estabelecidos conquistaram espaço com muita identidade. Os caras do Vex'd são mais experimentais, o Skream é super pop, o Digital Mystikz é puro dub e reggae, o D1 está demonstrando interesse pelo Soul, e por aí vai.

Há um pessoal no drum'n bass que também demonstra interesse e, até onde sei, curtem ambos os estilos com a mesma paixão. O grave cativa muita gente, principalmente quem tem um pé no jungle ou aprecia produção atual que tem grave como foco na construção do som. O Andy mesmo curte muito Skream e Scuba, dois produtores de dubstep bem legais.

Arrisco dizer que hoje em dia quem curte dubstep sabe muito bem o que quer e não engole qualquer coisa. Tem opinião formada...

DNBOL: Muita gente diz que o dubstep é a evolução do drum´n bass. Você acredita que essa evolução possa acontecer como aconteceu quando o drum´n bass surgiu e abafou o jungle?
Belluomini: Não concordo, penso o seguinte: O dubstep veio do UK garage, que sempre acompanhou o jungle e o drum'n bass. Na verdade, o dubstep foi uma evolução do UK garage mais paranóico, o chamado dark garage. Então, acredito que dubstep e drum'n bass são coisas paralelas. É verdade que alguns produtores bem experientes na cena DNB estão fazendo dubstep hoje, mas não acho que uma coisa vá anular a outra. House existe até hoje e as pessoas ainda curtem, existe um convívio com outros gêneros.

DNBOL: Sei que você produz e o faz bem. Conte há quanto tempo e quais programas costuma usar em suas tracks.
Belluomini: Estou envolvido com produção desde 2000, mas acho que só agora consegui amadurecer nesse sentido e ainda acho que tenho muito pela frente. Tenho muito que experimentar, uso softwares simples, o bom e velho Audacity e samples livres. Apenas o básico.

DNBOL: No dubstep o uso do vinyl parece estar intacto, é raro ver DJs usando CD. Como você encara essa conservação?
Belluomini: A cena é pequena, embora o hype seja grande. Isso é fato. Com a influência direta da cultura dos sound systems, do dub, do reggae e a cultura local de Londres de cortar dubplates, é natural que o dubstep tenha muitos DJs tocando vinil. Quem toca CD, muitas vezes não tem relação nenhuma com a cena que pretende fazer parte. O Jason no Transition é um mestre em conseguir grave monstro, isso valoriza o dubplate também.

DNBOL: Desculpe, mas não conheço o Jason, quem é?
Belluomini: Também não conheço o Jason pessoalmente, mas é o nome do engenheiro de som que faz a masterização de todos bons lançamentos da cena. O cara é uma lenda viva, se você ver o nome Transition cavado no vinyl pode apostar que é peso pesado.

DNBOL: Ultimamente alguns DJs mais conceituais de drum’n bass têm encaixado alguns dubsteps em seus sets. Você costuma misturar outros estilos?
Belluomini: Claro! Quem ouve o Tranquera sabe. Ultimamente tenho tocado muito techno e minimal de uma forma geral nos sets.

DNBOL: E na pista a receptividade é boa?
Belluomini: Posso garantir que em Viena, nossa última apresentação, o pessoal curtiu bastante. Pelo feedback que tenho dos ouvintes do Tranquera também. É importante dizer que os ouvintes do Tranquera também sugerem sons, Shackleton e Appleblim são sempre citados.

DNBOL: E me fale sobre as novidades, há previsão de festas de dubstep em São Paulo? Como vão os projetos?
Belluomini: Nesse exato momento estou dedicando boa parte do tempo à produção. Existem remixes para o Digital Dubs, do Rio de Janeiro, algumas coisas com pegada techno também.

Sobre as festas, a gente pretende fazer a próxima Tranquera em breve. A maior dificuldade é achar um bom sound system para as pessoas poderem sentir o que é grave de verdade.

DNBOL: É isso aí! Algo a acrescentar?
Belluomini: Se liga na freqüência maravilha!»

+ info:
» Tranquera.Org
» DnB Online
» Gravar o Dj Set

 

 

 

Informação sobre o blog (para ler aquando da primeira visita a este blog)

 

Email:

 

 

(Instruções: o que é e o que é preciso fazer?)

 

Emissões:

Podcast 1

Podcast 2

Podcast 3

Podcast 4 (emissão especial)

Podcast 5

Podcast 6

Podcast 7

Podcast 8

Podcast 9

Podcast 10

Podcast 11

Podcast 12

Podcast 13

Podcast 14

Podcast 15

Podcast 16

Podcast 17

Podcast 18

Podcast 19

Podcast 20

 

 

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

 

 

[INFO] Massive Attack em Lisboa e Porto

 

[INFO] Frankie Valli and The Four Seasons - Beggin...

 

[INFO] Festival Dance Station

 

[INFO] O regresso do "Cubo"

 

[INFO] Jim Morrison

 

[INFO] Festival Elektrocution:Ignite

 

[PODCAST] Emissão 9

 

[INFO] Sublight Records fecha portas

 

[INFO] O regresso do vinil

 

[INFO] Nova música dos Primitive Reason gratuita

 

 

 

 

Posts referentes aos discos mais marcantes de cada redactor do "otites":

 

Juiz:

[DISCO(s): marcante(s)] “Três Selecções

 

Work Buy Consume Die:

[DISCO: marcante] “Blue Lines” Massive Attack

 

Rudi:

[disco mais marcante] "Specials" The Specials

 

Serebelo:

[Disco mais marcante] "Hope Blister" ...smile´s ok

 

Escrito:

[discos mais marcantes] Três selecções

 

Kid Cavaquinho:

[disco mais marcante] Alpha - Come From Heaven

 

CrazyMaryGold:

[discos mais marcantes] Incunabula & Amber...

 

 

Work Buy Consume Die:

 

Escrito:

Rudi:

The English Beat - Beat This
Erode - Tempo Che Non Ritorna
Dance Hall Crashers - 1989-1992 (1993)
One Step Beyond - 45 Classic Ska Hits
The Redskins - Neither Washington Nor Moscow

 

Serebelo:

Tom Zé - Imprensa Cantada

Gorillaz - Demon Days

Bloc Party - Silent Alarm

Arcade Fire - Funeral

!!! - Louden Up Now

 

Kid Cavaquinho:

Africa Funk - Vol. 1

Cubanismo! - Malembe

Gor - Crosaides

Zeca Afonso - Galinhas do mato

Rão Kyao - Porto alto

 

 

 

1 Pouco Mouco

Alta Fidelidade

A Big Black Boat

A Vítima Respira

Braindance

Bitlogger!

Caixa de Ritmos

Clube de Fans do José Cid

Crónicas da Terra

Dance Not Dance

Deep & Lounge

Easy M

Electro-Lights

Electroshocker

Error_404

Grooves Clash

Hit Da Breakz

Intervenções Sonoras

Juramento Sem Bandeira

Major Eléctrico

Mundo Urbano

Música Digital

Music Producer Center

Notas Agudas

O Puto – O Tipo – O Tóto

O Som e a Fúria

Orelha do Ano

Pautas Desafinadas

Percepções

Play On Tape

Quark! Quark!

Queridos Anos 80

R.B.S.

Rádio Tranquera

Revoluções por Minuto

Rita Carmo

Rock em Portugal

Sound + Vision

The Tracker

 

Powered by Blogger

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

[Buy Opera!]

Get Firefox!

Get Thunderbird

Last FM

ouvidos abusados