quinta-feira, fevereiro 16, 2006

[concerto: crónica a dois] Depeche Mode em Lisboa


» A opinião de Kid Cavaquinho:

O que eu não gostei:
Merchandising a preços exorbitantes.
Gestão deficiente a nível de recursos humanos nos bares.

O que eu estranhei:
Betos a cantar em uníssono com industriais/góticos.
A actuação dos The Bravery, sobretudo focalizada no pullover aos losangos do vocalista.

O que eu não estranhei:
O conservadorismo no alinhamento.

O que eu gostei:
Da qualidade do som acima do que seria de esperar no Atlântico.
O conjunto de luzes e efeitos média que nivelou-se pela a mesma batuta da prestação ao vivo dos artistas.
A voz do Dave Gahan que é de facto sui generis que apresenta um timbre muito ajustado ao tipo de composição da electrónica híbrida, da qual os Depeche Mode se tornaram mestres.

Foi com olhos arregalados e com as orelhas no ar que o povo recebeu os temas de abertura "A Pain That I'm Used To" e "John the Revelator", obras do recente álbum e do grupo "Playing the Angel".
São temas maiores do disco, a par de "Precious", o primeiro single e promotor da tour que decorre e que como seria evidente preencheram o início do espectáculo.
Mas verdadeiramente as hostes começaram quando se ouvi os primórdios sirénios de "Question of Time" e aí sim o nervosismo do público comungou-se e deixou-se exorcizar pelo um electrizante Dave Gahan e pela frágil figura andrógina de Martin Gore.
Creio que os melhores momentos passaram por: "Walking In My Shoes", "Personal Jesus" e pelo o final com um "Enjoy the Silence" arrepiante, tal a ordem de comensalismo entre o palco e a plateia.
Também deixou marcas inolvidáveis, o início do 1º encore com Gore supliciando notavelmente "Shake the Disease" apenas com a companhia do piano, e ainda os incontornáveis hits "I Just Can't Get Enough", "Everything Counts" com este último a levar a melhor, pelos menos na receptividade emotiva.
No 2º encore nada posso dizer pois, levei fiquei a ver tudo azul resultando de uma flashada que me cegou e que acompanhou portanto o meu desgosto de não ter sido servido com "Master and Servant", nem com o "People are People" nem com as articulações maradas do Dave com o "New Life"!

Pagava por mais 2 horas de concerto de Depeche Mode, mas não o farei em Avalarde.
Considero que o som depecheano não se adequa a espaços muitos amplos, inclusive o próprio Pavilhão Atlântico, onde foi visível uma certa frustração por parte do público pela negação espacial da expressão do corpo à apelativa música dançante dos Depeche Mode.



» A opinião de Escrito:

Já muito se escreveu sobre o tão esperado regresso dos Depeche Mode a Portugal, desta feita sob um "Touring the Angel". Um privilégio.

Não importa já sublinhar a expectativa enorme que se vivia à volta deste evento (que vinha desde há muitos meses - desde Junho, por exemplo, que foi quando comprei o bilhete), mas sim a autêntica celebração que se viveu no Atlântico.

Através de uma playlist muito equilibrada entre o que há de novo e os grandes clássicos, a minha maior surpresa foi para o público presente (17 mil), que mostrou não só ter recebido muito bem o recente "Playing the Angel", como também não ter esquecido algumas das músicas mais marcantes de minha juventude.

Excelente a recepção e ambiente para as novidades "A Pain that I'm Used To", "John The Revelator", "Precious", "Suffer Well", “The Sinner In Me” e "Damaged People", apresentadas num palco futurista e que, por si só, constitui uma grande fatia do espectáculo (o Sr. Corbijn é o maior).

Foi muito muito bom perceber que a celebração não tinha apenas sentido único, com bom empatia criada pela energia (não acaba) do vocalista Dave Gahan e entusiasmo e sede do público presente. E deve ter sido por isso que o delírio se instalou com "Personal Jesus", "World In My Eyes", "Policy Of Truth", só para citar algumas. No entanto, a loucura absoluta e total e, para mim, os pontos altos do concerto, apareceram com "Question Of Time", "Behind The Wheel", "Walking In My Shoes" e "I Feel You". Indescritível.

Por fim, seguiram-se os encores lógicos com o sôfrego “Shake The Disease”, "Just Can't Get Enough", "Everything Counts" e "Never Let Me Down" (com o famoso e lindo mar de braços).

Para acabar, nada como “as pazes” de “Goodnight Lovers”.

Não terá sido, nem de perto, um 101, mas que foi uma celebração negra inesquecível... disso ninguém pode duvidar.

 

 

 

Informação sobre o blog (para ler aquando da primeira visita a este blog)

 

Email:

 

 

(Instruções: o que é e o que é preciso fazer?)

 

Emissões:

Podcast 1

Podcast 2

Podcast 3

Podcast 4 (emissão especial)

Podcast 5

Podcast 6

Podcast 7

Podcast 8

Podcast 9

Podcast 10

Podcast 11

Podcast 12

Podcast 13

Podcast 14

Podcast 15

Podcast 16

Podcast 17

Podcast 18

Podcast 19

Podcast 20

 

 

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

 

 

[INFO] Otites com RSS Feed

 

[INFO] Blogosfera

 

[ENTREVISTA] Test Tube

 

[INFO]

 

[info] Encerramento das cottage industries…

 

[INFO] WARP Sale

 

[disco] Arcana "Le Serpent Rouge"

 

[INFO] Depeche Mode regressam a Portugal no próxim...

 

[disco] Bolt Thrower "Those Once Loyal"

 

[NET] Blogosfera

 

 

 

 

Posts referentes aos discos mais marcantes de cada redactor do "otites":

 

Juiz:

[DISCO(s): marcante(s)] “Três Selecções

 

Work Buy Consume Die:

[DISCO: marcante] “Blue Lines” Massive Attack

 

Rudi:

[disco mais marcante] "Specials" The Specials

 

Serebelo:

[Disco mais marcante] "Hope Blister" ...smile´s ok

 

Escrito:

[discos mais marcantes] Três selecções

 

Kid Cavaquinho:

[disco mais marcante] Alpha - Come From Heaven

 

CrazyMaryGold:

[discos mais marcantes] Incunabula & Amber...

 

 

Work Buy Consume Die:

 

Escrito:

Rudi:

The English Beat - Beat This
Erode - Tempo Che Non Ritorna
Dance Hall Crashers - 1989-1992 (1993)
One Step Beyond - 45 Classic Ska Hits
The Redskins - Neither Washington Nor Moscow

 

Serebelo:

Tom Zé - Imprensa Cantada

Gorillaz - Demon Days

Bloc Party - Silent Alarm

Arcade Fire - Funeral

!!! - Louden Up Now

 

Kid Cavaquinho:

Africa Funk - Vol. 1

Cubanismo! - Malembe

Gor - Crosaides

Zeca Afonso - Galinhas do mato

Rão Kyao - Porto alto

 

 

 

1 Pouco Mouco

Alta Fidelidade

A Big Black Boat

A Vítima Respira

Braindance

Bitlogger!

Caixa de Ritmos

Clube de Fans do José Cid

Crónicas da Terra

Dance Not Dance

Deep & Lounge

Easy M

Electro-Lights

Electroshocker

Error_404

Grooves Clash

Hit Da Breakz

Intervenções Sonoras

Juramento Sem Bandeira

Major Eléctrico

Mundo Urbano

Música Digital

Music Producer Center

Notas Agudas

O Puto – O Tipo – O Tóto

O Som e a Fúria

Orelha do Ano

Pautas Desafinadas

Percepções

Play On Tape

Quark! Quark!

Queridos Anos 80

R.B.S.

Rádio Tranquera

Revoluções por Minuto

Rita Carmo

Rock em Portugal

Sound + Vision

The Tracker

 

Powered by Blogger

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

[Buy Opera!]

Get Firefox!

Get Thunderbird

Last FM

ouvidos abusados