terça-feira, janeiro 25, 2005

[disco] Rádio Macau - "Spleen". De são e de louco, todos temos um pouco

Num golpe de sorte, porque «há dias assim», caiu nas minhas mãos um disco que fazia questão de ter e ainda não tinha. O motivo de maior interesse talvez fosse o facto de ser o álbum que saiu entre os meus dois favoritos de uma das bandas portuguesas que mais prefiro. Falo do “Spleen” dos Rádio Macau, que foi lançado em 1986, depois do “Rádio Macau” e antes do “Elevador da glória”, e escrevo sobre este apenas porque é um dos discos que mais tem rodado no meu leitor actualmente, e também porque gosto quase tanto dele como do álbum anterior e do que se seguiu.

Spleen” corresponderá a um disco que surge naturalmente numa sequência marcante da banda, não só trazendo a sua distinção, mas também deixando aberta a porta para o mítico «elevador» que ascenderia no ano seguinte. Ouvir este disco em pleno ano 2005, reforça-me a ideia de que os Rádio Macau estavam uns passos à frente do que se fazia naquele tempo, com criações intemporais que me atingiram na altura, e que me preenchem no presente. “Spleen”, ainda assim, é um disco diferente, que se apresenta como um todo e em que cada música, por si só, não faz tanto sentido se não estiver enquadrada no conceito do disco.

A sonoridade é a típica dos Rádio Macau dos anos 80, em que fechamos os olhos e a obscuridade nos transporta para um sentimento nostálgico de tempos urbano-depressivos de quem está «entre a espada e a parede» trazendo, ao mesmo tempo, a sensação obsessiva de um romantismo fatal.
Mas uma aposta forte, sem dúvida, estará no requinte dos textos usados (o que, aliás, sempre foi um trunfo da banda). Um gozo delicioso quando ouvimos a voz de Xana conjugar-se na perfeição com letras ora tão descritivas como em “Spleen” (a música), ora tão sombrias como na excepcional “Lua Assassina” (um verdadeiro clássico, para mim, ao qual «ergo aqui a minha taça»).
O conceito é perfeitamente complementado com os assinaláveis registos instrumentais, tal como com todas as extraordinárias sensações visuais e auditivas, tão bem transmitidas e patentes no «nervoso rir do relógio» que teima em não parar no tempo.

Recuar a «1986» é fácil e agradável, ao som de um grande nome da música portuguesa, e está ao alcance de todos reconhecer, com este disco, que esses tempos eram muitos bons. E é mesmo por ser tão bom recordar, que não fica nada mal deixar este «convite assim sinistro e imoral» para vasculharem nos sítios mais antigos e “desencantar” este disco tão marcante.

» Info sobre os Rádio Macau em http://www.universalmusic.pt

 

 

 

Informação sobre o blog (para ler aquando da primeira visita a este blog)

 

Email:

 

 

(Instruções: o que é e o que é preciso fazer?)

 

Emissões:

Podcast 1

Podcast 2

Podcast 3

Podcast 4 (emissão especial)

Podcast 5

Podcast 6

Podcast 7

Podcast 8

Podcast 9

Podcast 10

Podcast 11

Podcast 12

Podcast 13

Podcast 14

Podcast 15

Podcast 16

Podcast 17

Podcast 18

Podcast 19

Podcast 20

 

 

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

 

 

[Disco] Khonnor "Handwriting". O paralelo mundo do...

 

[DISCO] VA "Nylon Showcase#3"

 

[DISCOS] The Prodigy "Always Outnumbered, Never Ou...

 

[Info] Conferências "O Caminho da Folk Music"

 

[Info] NIN em digressão e entrevista ao OTITES

 

[DISCO: vintage] Jonnhy Cash "American IV - The ma...

 

Depeche Mode - "Devotional" e "Remixes 81-04"

 

[DISCO] Humanos "Humanos"

 

[O melhor de 2004]

 

[DISCO] Nine Inch Nails "The Downward Spiral"

 

 

 

 

Posts referentes aos discos mais marcantes de cada redactor do "otites":

 

Juiz:

[DISCO(s): marcante(s)] “Três Selecções

 

Work Buy Consume Die:

[DISCO: marcante] “Blue Lines” Massive Attack

 

Rudi:

[disco mais marcante] "Specials" The Specials

 

Serebelo:

[Disco mais marcante] "Hope Blister" ...smile´s ok

 

Escrito:

[discos mais marcantes] Três selecções

 

Kid Cavaquinho:

[disco mais marcante] Alpha - Come From Heaven

 

CrazyMaryGold:

[discos mais marcantes] Incunabula & Amber...

 

 

Work Buy Consume Die:

 

Escrito:

Rudi:

The English Beat - Beat This
Erode - Tempo Che Non Ritorna
Dance Hall Crashers - 1989-1992 (1993)
One Step Beyond - 45 Classic Ska Hits
The Redskins - Neither Washington Nor Moscow

 

Serebelo:

Tom Zé - Imprensa Cantada

Gorillaz - Demon Days

Bloc Party - Silent Alarm

Arcade Fire - Funeral

!!! - Louden Up Now

 

Kid Cavaquinho:

Africa Funk - Vol. 1

Cubanismo! - Malembe

Gor - Crosaides

Zeca Afonso - Galinhas do mato

Rão Kyao - Porto alto

 

 

 

1 Pouco Mouco

Alta Fidelidade

A Big Black Boat

A Vítima Respira

Braindance

Bitlogger!

Caixa de Ritmos

Clube de Fans do José Cid

Crónicas da Terra

Dance Not Dance

Deep & Lounge

Easy M

Electro-Lights

Electroshocker

Error_404

Grooves Clash

Hit Da Breakz

Intervenções Sonoras

Juramento Sem Bandeira

Major Eléctrico

Mundo Urbano

Música Digital

Music Producer Center

Notas Agudas

O Puto – O Tipo – O Tóto

O Som e a Fúria

Orelha do Ano

Pautas Desafinadas

Percepções

Play On Tape

Quark! Quark!

Queridos Anos 80

R.B.S.

Rádio Tranquera

Revoluções por Minuto

Rita Carmo

Rock em Portugal

Sound + Vision

The Tracker

 

Powered by Blogger

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

[Buy Opera!]

Get Firefox!

Get Thunderbird

Last FM

ouvidos abusados