terça-feira, março 01, 2005

[REPORTAGEM: netlabel] MiMi

Um dos fenómenos mais interessantes no mundo da música acoplado à internet foi a expansão exponencial do formato MP3. Se para uns foi a galinha dos ovos de ouro, para outros foi um ataque directo a um bastião onde se movimentam milhões de euros diariamente. Após este fenómeno surgiu um outro em resposta à pressão das tradicionais editoras no campo editorial e na escolha artística, à burocracia própria do mundo dos negócios e à liberdade criativa e monetária: falamos das netlabels. Editoras (nem sempre pequenas) que surgem da ideia de poucas pessoas (sendo as mesmas que as mantêm devido à não necessidade de mais pessoal) e que concentram um conjunto de artistas que acabam por “editar”. As aspas surgem apenas porque a maioria das netlabels acaba por não lançar os discos da forma tradicional para uma loja, no entanto, os MP3 dos artistas estão prontos a serem adquiridos a custo zero (via download), muitas vezes com a respectiva artwork do disco.

Se no mundo o fenómeno é mais ou menos generalizado, em Portugal só encontrámos 4 netlabels. Começámos a investigação na MiMi que conta já com 33 edições (uma delas uma compilação criticada aqui) de (somente) artistas portugueses e japoneses. Fernando Ferreira, à frente a Mimi possibilitou-nos esta entrevista:

OTITES: O que é e como surge a MiMi? Porquê a opção “netlabel” em oposição a uma editora normal?
Fernando Ferreira (FF): A MiMi Records é um dos projectos criados pelo ClubOtaku, uma "organização" estritamente virtual que se dedica à divulgação da cultura japonesa.
A ideia surgiu há já bastante tempo. Nasceu para "satisfazer" dois gostos pessoais - o Japão e a música. Tive a ideia num dia em que assistia a um concerto de música tradicional japonesa - aquando da comemoração dos 460 anos de amizade entre Portugal e o Japão. No final do concerto pensei que poderia contribuir para o estreitamento dos laços entre Portugal e o Japão criando, para tal, um projecto de música "moderna".
Escolhi uma netlabel sobretudo devido a aspectos logísiticos. É muito mais simples e mais imediato. Além disso, acho que o futuro das edições musicais vai passar, em grande parte, pela internet - considero que vai ser a evolução natural do suporte musical (depois das cassetes, os cds e agora a internet...).

OTITES: A Mimi, por força da singularidade que apresenta, tem particularidades próprias? Existe uma filosofia sonora “MiMi”?
FF: A única particularidade/singularidade que a MiMi Records tem, é o facto de editar apenas projectos nacionais e japoneses. Seguimos uma "filosofia" de novas tendências de música electrónica (electrónica, i.d.m., glitch, noise, digital hardcore, experimentalismo).

OTITES:Sentiste alguma dificuldade inerente à construção da MiMi, principalmente no que toca a angariar artistas japoneses?
FF: A dificuldade foi só mesmo o primeiro contacto. Depois disso, tudo funcionou como uma bola de neve. A internet e o algum conhecimento da língua japonesa também ajudaram para angariar artistas. Quando os contacto (japoneses) para possíveis edições, eles ficam muito agradecidos - e alguns até espantados.
Devem achar improvável que alguém no outro lado do mundo goste das coisas que eles fazem.
A certa altura a divulgação da netlabel quase se fez "boca-a-boca". Alguns dos artistas nipónicos que editaram pela MiMi, deram o contacto ou apresentaram-me outros artistas e projectos que possivelmente gostariam de editar. O facto de a netlabel se chamar MiMi também nos ajudou (MiMi significa ouvido na língua dos samurais).

OTITES: Em que características se baseiam para fazer a triagem de artistas que propõem projectos à MiMi?
FF: Como referi anteriormente, a MiMi Records navega nos territórios da música electrónica. Acaba por ser o primeiro ponto de "triagem". Não há mais nenhum entrave à edição. Se os trabalhos me agradam, edito-os.

OTITES:Como é a postura da MiMi face a uma hipotética edição de um artista vosso numa label que edite em CD?
FF: Seria uma enorme satisfação pessoal se que o que mostramos/damos a conhecer às pessoas fosse aceite como sendo de qualidade. Faço votos para que algum dos projectos MiMi seja editado em CD.

OTITES: Conta-me um pouco do teu interesse na música electrónica e experimental. Quando começou, quais as tuas influências nesse campo?
FF: Sempre tive curiosidade pelas sonoridades "diferentes". A electrónica e a música experimental sempre estiveram na minha lista de preferências musicais, por conseguirem satisfazer essa minha vontade de conhecer coisas diferentes. Os anos 80 e o meu primeiro computador (zx spectrum) foram o ponto de partida.

OTITES: Como vês a “cena” da música i.d.m., música electrónica e experimental em Portugal? Qual o papel das netlabels nesse cenário?
FF: Já existe uma "cena" bastante significativa - o exemplo disso são as várias editoras que tem aparecido nestes últimos tempos.
O aparecimento das Net Labels em Portugal também são a resposta para esse crescimento. A Enough Records, Test Tube, e a própria MiMi estão a fazer um excelente trabalho, não só na divulgação de projectos nacionais como de estrangeiros. Acho mesmo que as Net Labels vão ser mesmo o futuro da divulgação musical.
Apesar de já se começar a assistir um maior interesse pelas Net Labels devido a alguma divulgação que tem sido feita quer pelos jornais, netzines ou mesmo blogs como é o vosso caso, não tenho a menor dúvida que rapidamente irão estoirar em Portugal novas netlabels, de estilos musicais completamente dispares.

OTITES: Em Portugal poucos são os nomes conhecidos de artistas japoneses que fazem i.d.m. e música electrónica como Cornelius ou Merzbow.
Pensas que a MiMi pode contribuir para esse conhecimento e intercâmbio, ou está fora desse “campeonato”?
FF: Neste momento ainda estamos numa "divisão" bastante diferente - o nosso campeonato é outro. Temos como objectivo subir aos poucos para chegarmos ao tal "campeonato" de que falas. Para já damos a conhecer o que se faz por lá e por cá. Quem sabe se não conseguimos "vender" alguns para o tal campeonato?

OTITES: Como vês o fenómeno MP3? Partilha de ficheiros para usufruto pessoal ou um ataque aos direitos de autor?
FF: Vejo com bons olhos. Apesar de já estar completamente dominado pelo .mp3, não deixo de comprar edições originais. Gosto de ter a edição "física" nas mãos. Muitas das vezes uso os .mp3 para conhecer novos projectos e depois se gostar compro o original. Vejo o .mp3 como um suporte para os artistas mostrarem as suas criações. Além disso, existem muitos autores que distribuem a sua música gratuitamente como é o caso das Net Labels. A música é para todos :)

OTITES: Uma pergunta ingrata: Qual o disco que mais te agradou no catálogo (já extenso) da Mimi? Não só em termos musicais, como estéticos.
FF: Não queria escolher um, mas sim todos. Todos me agradaram, por isso é que estão na MiMi.

OTITES: Que discos tens no teu leitor e que tens ouvido actualmente?
FF: Nunca ando sem música, por isso ouço muita coisa. Os novos projectos que tem chegado à MiMi para futuras edições e os trabalhos das outras netlabels nacionais e não só, são algumas das coisas que tenho ouvido nestes últimos tempos. Mas também ouço outras coisas por razões que se prendem com trabalho - isto porque faço rádio na RUC (Rádio Universidade de Coimbra).

OTITES: Que futuro auguras à MiMi e quais os projectos imediatos?
FF: Que continue a "dar música" às pessoas. Tenho agendado (como projecto a cumprir a médio prazo) a realização de uma compilação com artistas nacionais - em formato cdr, à semelhança da compilação ( [mi020] - various artists - give the finger to sploiler's disk vol 1 ) editada há uns tempos atrás.
Também não está fora de questão uma edição pessoal na netlabel, vamos ver...

OTITES: Como é que um artista pode mostrar os seus trabalhos à MiMi?
FF: Os trabalhos são normalmente recebidos via correio normal (podem ver a morada no site), em formato audio ou então em .mp3.
Já houve casos de artistas que enviaram um mail (mimirecords@clubotaku.org) com os links dos temas e depois fizémos o respectivo donwload.

OTITES: Resta-me agradecer o teu tempo disponibilizado e pedir algumas palavras que queiras dirigir aos nossos leitores.
FF: Que visitem e ouçam o que a MiMi tem para oferecer. E mais importante do que isso, que nos enviem feedback! Só assim poderemos crescer mais e com melhor qualidade. Só me resta agradecer com um grande arigatou gozaimashita.

Mais informações no site da MiMi.

 

 

 

Informação sobre o blog (para ler aquando da primeira visita a este blog)

 

Email:

 

 

(Instruções: o que é e o que é preciso fazer?)

 

Emissões:

Podcast 1

Podcast 2

Podcast 3

Podcast 4 (emissão especial)

Podcast 5

Podcast 6

Podcast 7

Podcast 8

Podcast 9

Podcast 10

Podcast 11

Podcast 12

Podcast 13

Podcast 14

Podcast 15

Podcast 16

Podcast 17

Podcast 18

Podcast 19

Podcast 20

 

 

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

 

 

[DISCO] VA - “Give the finger to spoiler's disk”

 

[INFO] Novo CD da Nicollette "Life Love Us"

 

[INFO] Prefuse73, Thievery Corporation e Styrofoam...

 

[DISCO/RARIDADE] X Mal Deutschland "Viva"

 

[disco/info] The Exploited - "Fuck The System": o ...

 

[DISCO] Daddy G "DJ Kicks"

 

[DISCO] Low "The Great Destroyer"

 

[banda] The Temple: o que é nacional pode ser mesm...

 

[Info] The Cure - Re-edições

 

[DISCO] The Cure "Three Imaginary Boys - Deluxe"

 

 

 

 

Posts referentes aos discos mais marcantes de cada redactor do "otites":

 

Juiz:

[DISCO(s): marcante(s)] “Três Selecções

 

Work Buy Consume Die:

[DISCO: marcante] “Blue Lines” Massive Attack

 

Rudi:

[disco mais marcante] "Specials" The Specials

 

Serebelo:

[Disco mais marcante] "Hope Blister" ...smile´s ok

 

Escrito:

[discos mais marcantes] Três selecções

 

Kid Cavaquinho:

[disco mais marcante] Alpha - Come From Heaven

 

CrazyMaryGold:

[discos mais marcantes] Incunabula & Amber...

 

 

Work Buy Consume Die:

 

Escrito:

Rudi:

The English Beat - Beat This
Erode - Tempo Che Non Ritorna
Dance Hall Crashers - 1989-1992 (1993)
One Step Beyond - 45 Classic Ska Hits
The Redskins - Neither Washington Nor Moscow

 

Serebelo:

Tom Zé - Imprensa Cantada

Gorillaz - Demon Days

Bloc Party - Silent Alarm

Arcade Fire - Funeral

!!! - Louden Up Now

 

Kid Cavaquinho:

Africa Funk - Vol. 1

Cubanismo! - Malembe

Gor - Crosaides

Zeca Afonso - Galinhas do mato

Rão Kyao - Porto alto

 

 

 

1 Pouco Mouco

Alta Fidelidade

A Big Black Boat

A Vítima Respira

Braindance

Bitlogger!

Caixa de Ritmos

Clube de Fans do José Cid

Crónicas da Terra

Dance Not Dance

Deep & Lounge

Easy M

Electro-Lights

Electroshocker

Error_404

Grooves Clash

Hit Da Breakz

Intervenções Sonoras

Juramento Sem Bandeira

Major Eléctrico

Mundo Urbano

Música Digital

Music Producer Center

Notas Agudas

O Puto – O Tipo – O Tóto

O Som e a Fúria

Orelha do Ano

Pautas Desafinadas

Percepções

Play On Tape

Quark! Quark!

Queridos Anos 80

R.B.S.

Rádio Tranquera

Revoluções por Minuto

Rita Carmo

Rock em Portugal

Sound + Vision

The Tracker

 

Powered by Blogger

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

[Buy Opera!]

Get Firefox!

Get Thunderbird

Last FM

ouvidos abusados