terça-feira, março 08, 2005

[Banda "Interpol"]

Os Interpol formaram-se em Nova Iorque, numa sucessão de encontros e desencontros, sendo que em 2001 teriam a formação que ainda hoje apresentam, a saber: Paul Banks (voz e guitarra), Daniel Kessler (guitarra e voz de acompanhamento), Carlos D. (baixo, teclas e voz de acompanhamento) e Samuel Fogarino (bateria).
Começando por rodar o circuito de salas de Nova Iorque, deram um salto para este lado do Atlântico, onde o falecido (paz à sua alma) Jonh Peel gravou em 2001, mais uma das suas famosas sessões com a banda em questão. A partir daí, as portas das editoras abriram-se, em particular as da Matador Records.
Antes de passar a coisas mais sérias, só uma nota. O seu nome vem de uma piada qualquer acerca do nome Paul e a semelhante fonia com Interpol. Só isso.
De volta. O seu som passa, sem dúvida, pelo rock do fim dos 70, princípio dos 80, em particular por Joy Division, The Cure (juntar-se-iam a estes na Curiosa Tour em 2004) e Echo & the Bunnymen. Tensão, tendência urbano-depressiva, negrume, o pacote todo. Mas o peso destas referências e as suas características comuns não desvirtuam o trabalho desta banda. É que existe aqui qualquer coisa mais. Existe sem dúvida uma reciclagem de sons já conhecidos, mas a maneira como eles são apresentados e a sinceridade que se sente ao ouvir as suas músicas são notáveis. Não sei o que o futuro lhes reserva, mas o que fizeram na sua curta carreira, augura algo de muito bom.

Até hoje foram lançados dois discos, existindo alguns EP´s e compilações que escusaremos de comentar.

“Turn on the bright lights”
O disco de estreia. Depressão e escuridão em forma de guitarras esgalhadas. Quando surgiu, alguns preveram que o rock de gabardine (conferir com as influências atrás apontadas), estaria de regresso. Não era para acontecer, mas fica este brilhante álbum de estreia. A primeira vez que ouvi o primeiro single “PDA”, fiquei sem palavras. Como single de apresentação, é dos melhores que já se ouviram. E depois tudo o resto. Pelo que à frente direi, não destacarei quaisquer músicas… tirando o soberbo, “NYC”. Os REM, quando tocaram em Nova Iorque, fizeram uma versão deste tema. Quando lá for, é o que ouvirei.
Aconselhável para dias de chuva e descrença na natureza humana.

“Antics”
Depois de dois anos de digressões, a banda reuniu-se no princípio de 2004 para gravar este disco. O que se ouve no disco é uma nova direcção, completamente distinta do que se ouviu anteriormente. As músicas estão mais leves e a sua audição não leva ao desespero anterior. Mas o que estas permitem é que as contínuas audições que não se evitam, levem a novas descobertas e ao tomar como nosso o que se ouve. Em discos como este é sempre despiciendo apontar músicas. Desde a abertura com um som de órgão em “Next Exit”, até ao tranquilo final com a “Time to be Small”, tudo é do melhor que se ouviu no ano passado. E do que se continua a ouvir.
Aconselhável para dias frios, mas com muito sol. Como estes.


Sítio oficial

Excelente entrevista na Rolling Stone.

 

 

 

Informação sobre o blog (para ler aquando da primeira visita a este blog)

 

Email:

 

 

(Instruções: o que é e o que é preciso fazer?)

 

Emissões:

Podcast 1

Podcast 2

Podcast 3

Podcast 4 (emissão especial)

Podcast 5

Podcast 6

Podcast 7

Podcast 8

Podcast 9

Podcast 10

Podcast 11

Podcast 12

Podcast 13

Podcast 14

Podcast 15

Podcast 16

Podcast 17

Podcast 18

Podcast 19

Podcast 20

 

 

Outubro 2004

Novembro 2004

Dezembro 2004

Janeiro 2005

Fevereiro 2005

Março 2005

Abril 2005

Maio 2005

Junho 2005

Julho 2005

Agosto 2005

Setembro 2005

Outubro 2005

Novembro 2005

Dezembro 2005

Janeiro 2006

Fevereiro 2006

Março 2006

Abril 2006

Maio 2006

Junho 2006

Julho 2006

Agosto 2006

Setembro 2006

Outubro 2006

Novembro 2006

Dezembro 2006

Janeiro 2007

Fevereiro 2007

Março 2007

Abril 2007

Maio 2007

Junho 2007

Julho 2007

Agosto 2007

Setembro 2007

Outubro 2007

Novembro 2007

Dezembro 2007

Janeiro 2008

Fevereiro 2008

Março 2008

Abril 2008

Maio 2008

Junho 2008

Julho 2008

Agosto 2008

Setembro 2008

Outubro 2008

Novembro 2008

Dezembro 2008

Fevereiro 2009

Março 2009

Abril 2009

Maio 2009

Junho 2009

Julho 2009

Agosto 2009

Outubro 2009

Novembro 2009

Dezembro 2009

Janeiro 2010

 

 

[DISCO] Queens of the Stone Age "Lullabies to Para...

 

[REPORTAGEM: netlabel] MiMi

 

[DISCO] VA - “Give the finger to spoiler's disk”

 

[INFO] Novo CD da Nicollette "Life Love Us"

 

[INFO] Prefuse73, Thievery Corporation e Styrofoam...

 

[DISCO/RARIDADE] X Mal Deutschland "Viva"

 

[disco/info] The Exploited - "Fuck The System": o ...

 

[DISCO] Daddy G "DJ Kicks"

 

[DISCO] Low "The Great Destroyer"

 

[banda] The Temple: o que é nacional pode ser mesm...

 

 

 

 

Posts referentes aos discos mais marcantes de cada redactor do "otites":

 

Juiz:

[DISCO(s): marcante(s)] “Três Selecções

 

Work Buy Consume Die:

[DISCO: marcante] “Blue Lines” Massive Attack

 

Rudi:

[disco mais marcante] "Specials" The Specials

 

Serebelo:

[Disco mais marcante] "Hope Blister" ...smile´s ok

 

Escrito:

[discos mais marcantes] Três selecções

 

Kid Cavaquinho:

[disco mais marcante] Alpha - Come From Heaven

 

CrazyMaryGold:

[discos mais marcantes] Incunabula & Amber...

 

 

Work Buy Consume Die:

 

Escrito:

Rudi:

The English Beat - Beat This
Erode - Tempo Che Non Ritorna
Dance Hall Crashers - 1989-1992 (1993)
One Step Beyond - 45 Classic Ska Hits
The Redskins - Neither Washington Nor Moscow

 

Serebelo:

Tom Zé - Imprensa Cantada

Gorillaz - Demon Days

Bloc Party - Silent Alarm

Arcade Fire - Funeral

!!! - Louden Up Now

 

Kid Cavaquinho:

Africa Funk - Vol. 1

Cubanismo! - Malembe

Gor - Crosaides

Zeca Afonso - Galinhas do mato

Rão Kyao - Porto alto

 

 

 

1 Pouco Mouco

Alta Fidelidade

A Big Black Boat

A Vítima Respira

Braindance

Bitlogger!

Caixa de Ritmos

Clube de Fans do José Cid

Crónicas da Terra

Dance Not Dance

Deep & Lounge

Easy M

Electro-Lights

Electroshocker

Error_404

Grooves Clash

Hit Da Breakz

Intervenções Sonoras

Juramento Sem Bandeira

Major Eléctrico

Mundo Urbano

Música Digital

Music Producer Center

Notas Agudas

O Puto – O Tipo – O Tóto

O Som e a Fúria

Orelha do Ano

Pautas Desafinadas

Percepções

Play On Tape

Quark! Quark!

Queridos Anos 80

R.B.S.

Rádio Tranquera

Revoluções por Minuto

Rita Carmo

Rock em Portugal

Sound + Vision

The Tracker

 

Powered by Blogger

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

[Buy Opera!]

Get Firefox!

Get Thunderbird

Last FM

ouvidos abusados